Tome posse da graça que Deus tem para você!

sábado, 20 de dezembro de 2014


Assim como a Virgem Maria, tome posse da graça que Deus tem para você! Pode ser que você não a esteja vivendo porque não tem dado o devido valor à graça que o Senhor tem para você.

Maria, então, disse: ‘Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra!’” (Lucas 1, 38).

Nós não podemos celebrar o mistério do Natal de Cristo sem compreender a importância de cada um desses personagens, desses escolhidos e escolhidas por Deus para fazerem parte de Seu mistério salvífico. E uma figura primeira nessa história bela de salvação é o papel da bem-aventurada, a sempre Virgem Maria, escolhida, chamada e preparada por Deus. Foi Deus quem precisou dela, foi Ele quem quis precisar dela.
É claro que a Virgem Maria, assim como cada um de nós, precisa muito de Deus; mas também é verdade que Ele escolhe os Seus, Ele tem aqueles que são escolhidos para realizar os desejos específicos do Seu coração.
Qual é o papel de Maria? Ela mesma diz no Evangelho que ela é, primeiramente, serva do Senhor. A palavra “serva” quer dizer “escrava”; escrava é aquela pessoa que não tem vontade própria. Nossa Senhora transforma a sua vontade própria na vontade do seu Senhor; a alegria, o prazer e a realização dela é fazer a vontade do seu Senhor. Aqui não é uma escravidão por imposição, mas a escravidão por amor, por entrega, é a verdadeira oblação.
A Santíssima Virgem Maria é uma oblação divina, é a entrega sublime de uma vida humana para que nela plenamente se realizem os desígnios de Deus. Uma vez que Maria se faz serva do Senhor, os desígnios de Deus se fazem plenos em sua vida.
Primeiro, ela se torna cheia de graça, plena da graça de Deus, nela não há espaço para o pecado, porque a graça de Deus a envolve total e completamente. A graça que nós vemos em Maria não é uma graça no sentido quantitativo (muita graça ou pouca graça), mas é a qualidade desta. Ela é plena, é a maior das graças, é a mais sublime das graças, ninguém antes dela nem depois dela receberá graça maior, ninguém será a filha predileta do Pai, ninguém será a Mãe de Jesus, ninguém será a esposa do Espírito Santo.
Então se existe uma graça única para a humanidade, essa graça foi dada a Virgem Maria! Deixe-me dizer a você: olhando para o coração de Maria, para a servidão e para a entrega dela, Deus também tem uma graça única para você! Não é igual nem comparativa com a graça que este ou aquele recebeu, mas graça de Deus é graça de Deus!
A desgraça é viver longe de Deus! A desgraça da humanidade é fugir da graça de Deus. Quando olhamos para Maria nós nos aproximamos da graça do Senhor, quando olhamos para ela nós nos abrimos à graça que Ele tem para nós.
Tome posse, assuma a graça que Deus tem para você, Ele também tem uma graça única na sua vida. Pode ser que você não a esteja vivendo porque não tem dado o devido valor ou a devida consideração à graça que o Senhor tem para você.
Hoje, como Maria, nós tomamos posse da graça de Deus em nossa vida!

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Por que fazemos o sinal da Cruz?

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014



il-segno-della-croce 
“É a cruz que fecunda a Igreja, ilumina os povos, guarda o deserto, abre o paraíso.”Proclo de Constantinopla, bispo

A primeira coisa que nossos pais católicos nos ensinam a fazer é o sinal da Cruz. É uma das mais belas marcas de nossa religião; é o ato que inicia e termina nossas orações particulares ou coletivas. É um sinal externo que “nos volta para Deus”.
Sua referência é bíblica. Uma delas está no livro de Ezequiel (9,3-4): “O Senhor disse: Percorre a cidade, atravessa Jerusalém e marca na fronte os que se lamentaram afligidos pelas abominações que nela se cometem.”
A marca é um tau (T), última letra do alfabeto hebraico, que tinha a forma de uma cruz. Os marcados são propriedade do Senhor, uma porção sagrada e intocável. Em Apocalipse 7,3 temos outra cena semelhante: “Não causeis danos à terra nem ao mar nem às árvores, até que selemos a fronte dos servos do nosso Deus.” Em ambos os textos, a marca na fronte significava a salvação e sem ele o homem não seria poupado.
Tertuliano (†220) escrevia no ano 211 d. C.: “Nós marcamos nossa fronte com o sinal da cruz. Quando nos pomos a caminhar, quando saímos e entramos, quando nos vestimos, quando nos lavamos, quando iniciamos as refeições, quando nos vamos deitar, quando nos sentamos, nessas ocasiões e em todas as nossas demais atividades, persignamo-nos a testa com o sinal da Cruz” (De corona militis 3).
Fazer o sinal da cruz já era um hábito antigo quando escreveu isso.
Há muitos textos bíblicos, que louvam e exaltam a Cruz de Cristo:
Mt 10,38: “Aquele que não toma a sua cruz e me segue, não é digno de mim” (Cf.Mc 8,34; Lc 9,23; 14,27).
Mt 16,24: “Disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”.
Gl 2,19: “Pela Lei morri para a Lei, a fim de viver para Deus. Fui crucificado com Cristo.”
Gl 6,14: “Quanto a mim, não aconteça gloriar-me senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por quem o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo.”
Diz ainda Santo Hipólito de Roma (†235), descrevendo as práticas dos cristãos do século II: “Marcai com respeito as vossas cabeças com o sinal da Cruz. Este sinal da Paixão opõe-se ao diabo e protege contra o diabo, se á feito com fé, não por ostentação, mas em virtude da convicção de que á um escudo protetor. É um sinal como outrora foi o Cordeiro verdadeiro; ao fazer o sinal da Cruz na fronte e sobre os olhos, rechaçamos aquele que nos espreite para nos condenar” (Tradição dos Apóstolos 42).
São Paulo exalta a santa cruz: “A linguagem da cruz é loucura para os que se perdem, mas para os que se salvam, isto é para nós, é uma força divina.” (1 Cor 1,18)
Podemos e devemos fazer o sinal da cruz sempre que vamos rezar, conversar com Deus, pedir a sua proteção. Ao passar por uma igreja, ou outro lugar sagrado, podemos fazer o sinal da cruz, com respeito, e bem feito, para pedir a Deus a sua proteção. O importante é a intenção de rezar, “voltar-se para Deus”. O próprio Sinal da Cruz é uma oração. Importa que seja feito com devoção, e não como superstição.
Diante do Santíssimo Sacramento, pode-se fazer o sinal da cruz, mas não é obrigatório; e sim a genuflexão. Também não é necessário fazer o sinal da cruz ao receber a sagrada Comunhão, pois já o fizemos no início da celebração.
Nota: vale a pena lembrar que no dia 14 de setembro a Igreja celebra a festa da exaltação da santa cruz.
“… Até hoje a cruz é glorificada; com efeito, é a cruz que ainda hoje consagra os reis, adorna os padres,protege as virgens, dá força aos ascetas, reforça os elos dos esposos, dá ânimo às viúvas.É a cruz que fecunda a Igreja, ilumina os povos, guarda o deserto, abre o paraíso.”Proclo de Constantinopla, bispo (c. 390-446) – Sermão para o Domingo de Ramos
Prof. Felipe Aquino

Fonte: Canção Nova

Papa Francisco dá 3 dicas para viver bem o Natal

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Em um discurso improvisado durante sua recente visita a uma paróquia romana

Papa a San Giuseppe all'Aurelio

Poucos dias antes do Natal, o Papa Francisco, em sua oitava visita a uma paróquia romana, convidou a viver as festividades natalinas com mais alegria cristã e menos preocupação com os presentes.

Segundo o Papa, há três maneiras de viver o Natal de maneira digna: rezar, agradecer a Deus e ajudar os outros. “Rezemos nestes dias, demos graças a Deus e depois pensemos: como levar alívio a quem sofre? Ajudar os outros. Assim, chegaremos ungidos ao nascimento de Cristo, o Ungido”, disse Francisco.

É preciso agradecer todas as coisas boas que a vida nos dá, e não viver só se lamentando. O cristão não pode viver assim, com “a cara fechada, inquieto, amargurado. Um santo nunca tem cara fúnebre”, recordou.
 
Oração, gratidão e caridade: você aceita o desafio do Papa?
Fonte: Aleteia

Nossa história precisa ser curada, liberta e transformada

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Nossa história precisa ser curada, liberta e transformada. Procure conhecer quem foram seus antepassados. Aqueles que se deixam ser tocados por Jesus têm a sua história transformada.

“Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo” (Mateus 1, 16).

Amados irmãos e irmãs no Senhor, nós estamos na semana próxima do Natal do Senhor, daqui a uma semana já celebraremos o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso a liturgia desta semana é muito especial por nos colocar cada vez mais próximos desse grande mistério da primeira vinda de Jesus.
O Evangelho que nos é apresentado hoje é até monótono de ser lido, porque, afinal de contas, conta-nos nomes diferentes, alguns até estranhos, narra uma série de nomes; por isso para quem apenas o escuta pode parecer cansativo. Mas, na verdade, é um dos Evangelhos mais belos quando nós entramos na profundidade dele.
Primeiro, ele nos mostra algumas coisas importantes, nos dá a certeza e a garantia da humanidade plena de Jesus. Quando nos mostra quem são e qual a ascendência de Jesus, quem foram Seus antepassados, nos mostra um Jesus enraizado na humanidade. Ele veio do céu, mas veio para ser plenamente homem!
E nos mostra que, assim como nós, nos antepassados de Jesus existem bênçãos, muita coisa bela e positiva. Jesus é filho de Abraão, de Isaac, de Jacó; Jesus é descendente de Davi, mas também nos mostra que nem tudo é bênção, que nem tudo parece ser tão positivo e tão “bonitinho” assim. Nós, quando queremos contar a nossa história, só contamos aquilo que é o mais bonito. E algumas pessoas até gostam de se vangloriar, dizendo: “Meu avô era isso! Meu tataravô foi aquilo!”.
Também na história de Jesus há elementos negativos, ou melhor, às vezes nem tão belos, mas que foram transformados pela graça de Deus. Você vai ver que há prostituta, há adúltera, há estrangeira nos antepassados de Jesus, porque não pertenciam à linhagem de Israel, e tudo isso Ele veio para abençoar. Olhando para o próprio Davi, de quem Jesus é descendente, o rei que agradou o coração de Deus e que também foi um adúltero pecador, o Senhor é descendente dele e não nega isso.
Da mesma forma, nós não podemos negar a nossa história, não podemos negar o nosso passado nem os nossos antepassados, pois o nosso passado e os nossos antepassados não são para nos envergonhar ou para nos encher de vanglórias por causa deles. Eles são, na verdade, a nossa história, que é para ser curada, liberta e transformada!
Quando Jesus entrou na história da humanidade, Ele a transformou e aqueles que se permitem ser tocados por Ele têm também a sua história transformada!
Eu quero convidá-lo a olhar com muita seriedade a sua história de vida, a sua história pessoal. Procure conhecer quem foram seus antepassados, de onde você veio, qual é a sua linhagem familiar, seus avós, seus tataravós, a sua quarta, terceira e as gerações passadas. Isso vai ajudá-lo, não é para o amargurar nem para o torturar, mas é para você encontrar a cura e a salvação na sua própria história. Assuma ser plenamente quem você é!
Assim como Jesus assumiu Sua história e esta se tornou salvação para a nossa história, Ele quer assumir a vida de cada um de nós, curar os nossos passados e antepassados e fazer o nosso presente sempre mais belo, pleno e abençoado!

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova


Auto de Natal encenado pelas Crianças na Paróquia Menino Jesus de Praga

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

 
Neste final de semana (13 e 14) aconteceu o Auto de Natal da Paróquia Menino Jesus de Praga, encenado pelas crianças do Encontro de Crianças com Cristo.  Abaixo, todos os registros da noite:

 Dança inicial

 Apresentadores

 Dança dos Anjos

 E o Anjo anunciou a Maria...

José, o Carpinteiro

Maria visita Isabel

 Pastores

 Os Reis Magos

 Sagrada Família com os Anjos

 Nascimento do Menino Jesus
 
Equipe que organizou todo o Auto de Natal

 Clique na imagem abaixo e confira todas as fotos registradas pelo Armadura do Cristão
http://docristaoarmadura.blogspot.com.br/2014/12/auto-de-natal-encenado-pelas-criancas.html


Para conferir os vídeos, acesse o nosso canal Armadura do Cristão no YouTube
https://www.youtube.com/user/armaduradocristao/videos

Só quem se abre à verdade toma o caminho correto

Só quem se abre à verdade toma o caminho correto. Se quisermos crescer na fé e no conhecimento de Deus não tenhamos medo da verdade, que nos edifica, ilumina e liberta.

Donde vinha o batismo de João? Do céu ou dos homens?” (Mateus 21, 25). 

Amados irmãos e irmãs, a Palavra de Deus hoje nos mostra Jesus sendo questionado pelos sumos sacerdotes e anciãos do povo sobre a origem da Sua autoridade. Eles O questionam com que autoridade Ele falava e fazia Seus milagres.
As obras falam por si, as obras de Jesus demonstram quem Ele é! E de forma muito sábia e astuta (no melhor sentido da palavra), o Senhor responde a eles com a mesma pergunta: “Donde vinha o batismo de João? Do céu ou dos homens?” (Mateus 21, 25).
É verdade que eles não queriam refletir sobre isso com profundidade, não queriam reconhecer o batismo de João, não queriam reconhecer aquilo que ele fazia; mas ao mesmo tempo não queriam negar aquilo que ele [João] fazia para não serem malvistos pelo povo. Uma vez que eles também não queriam responder com propriedade de onde vinha a autoridade de João, Jesus também não podia lhes dizer de onde vinha a Sua autoridade.
Hoje nós queremos olhar para essas palavras do Senhor e para o questionamento que é feito a Ele de modo a pedirmos a Ele o discernimento e a sabedoria, porque o que faltou a eles, aos sumos sacerdotes e aos anciãos do povo, foi uma verdadeira abertura para o discernimento e para o reconhecimento de onde vinha a autoridade de Jesus.
Muitas vezes, nós queremos ter discernimento para tomar o melhor caminho e para poder acertar na vida. A primeira necessidade, para quem quer conhecer o caminho correto a ser tomado, é estar aberto para a verdade, ainda que essa verdade incomode, ainda que essa verdade venha mexer em suas estruturas. No entanto, ninguém chega ao discernimento correto e verdadeiro a ser feito na vida se não for iluminado pela luz da verdade.
Desculpe-me, mas a verdade é que as autoridades da época de Jesus não queriam conhecer a verdade, queriam apenas questioná-lo; o que temiam, na verdade, era o medo de serem incomodados e confrontados. Da mesma forma, nós, muitas vezes, não gostamos de ser incomodados, nós gostamos de questionar os outros, perguntar aos outros, nós gostamos de ver a vida dos outros, mas nós tememos que a verdade nos incomode, que a verdade doa para nós.
Contudo, se quisermos crescer na fé e no conhecimento de Deus e que a luz de Jesus se aposse de nós e dê sentido à nossa vida, não tenhamos medo da verdade, pelo contrário, deixemo-nos ser conduzidos por ela. Por mais dura que esta seja, é melhor do que qualquer doce ilusão ou doce mentira.
A verdade nos edifica! E não confunda verdade com a expressão: “a minha verdade”, com aquilo que você acha que é verdade. A única verdade é Jesus, só Ele pode iluminar as profundezas do nosso coração para que nos conheçamos do jeito que realmente somos!

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014



Abramos o nosso coração para sermos amados e cuidados por aquela que é a nossa Mãe! Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!
 

“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!” (Lucas 1, 42).


Deus hoje nos dá a graça de celebrarmos o Dia de Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira de toda a América Latina. Maria é aquela arca que a traz a bênção de Deus para toda a humanidade, é a arca que nos traz o bendito e o único Cordeiro de Deus que nos salva dos nossos pecados.

Maria Santíssima é, para nós e para toda as gerações, o sinal da manifestação amorosa do Reino de Deus no meio de nós. Nós hoje contemplamos uma das manifestações mais graciosas de Deus para a humanidade por intermédio de Sua Mãe. Assim como Maria foi aquela que nos trouxe Jesus para ser o Salvador de toda a humanidade, a começar pelo povo eleito, o povo escolhido, que é o povo de Israel, Deus usou e usa Sua Mãe para manifestar a todos os povos a grandeza do Seu amor e da Sua misericórdia.

Foi assim no início da América, onde nossos irmãos indígenas aqui já viviam. Por intermédio de Juan Diego, o Dieguito, Deus se manifesta por meio de Maria. Ali estava aquele índio tão aflito quando a Mãe de Deus lhe aparece e lhe diz apenas: “Eu sou tua Mãe!”.

O rosto de Maria ficou impresso no manto, ficou gravado para sempre, aquele rosto humilde e sereno. Quando foram levadas ao bispo as rosas como prova da aparição de Nossa Senhora no manto, que Juan levou consigo ficou, no qual ficou gravada a figura da Virgem. É a figura que está para sempre na Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe, no México, onde a própria NASA diz: “Aqui está um fato extraordinário que não pode ser explicado!”.

O rosto de Maria se parece com o rosto de Juan Diego, o índio; o rosto dela se parece com o de todos os indígenas, se parece com o rosto de cada um de nós. Ela assume a feição de cada um de nós e a torna divina pela sua humildade e serenidade. Desde então, Juan Diego não precisou se preocupar mais, porque a sua Mãe cuidava dele e do seu povo.

Hoje a Virgem Maria nos diz: “Não se preocupe, eu sou sua Mãe!”. Que nós hoje abramos o nosso coração para sermos amados e cuidados por aquela que é a nossa Mãe! 


Deus abençoe você! 

Fonte: Canção Nova

A oração é a elevação da alma para Deus

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

O tempo do Advento é tempo de revisão de vida. Hoje nós vamos refletir sobre como temos rezado e quais têm sido os frutos da nossa oração. Jesus nos ensinou a rezar o Pai-Nosso. Na Canção Nova o monsenhor Jonas Abib nos ensina a rezar do jeito de Jesus.

“E despedido que foi o povo, retirou-se ao monte para orar” (Mc 6, 46). 
A nossa oração deve ser como a de Jesus. Para isso, devemos parar e estar a sós com Deus. Precisamos aprender a nos retirar e a silenciar o coração, num cantinho só nosso, para poder ouvir a Deus. Devido às agitações, muitas vezes, nós nos esquecemos de estar com Deus Pai. Como a nossa vida e o nosso corpo vão rezar se não nos retirarmos para fazer isso?
Jesus despediu as multidões e mandou os discípulos irem à frente d’Ele para poder rezar em silêncio. A oração é o espelho da alma. Se a sua alma está agitada é porque você não está rezando. Gastamos tempo com muitas coisas fúteis e não o gastamos orando ao Pai. Perdemos o nosso tempo com coisas muito insignificantes, com novelas, fofocas e conteúdos inadequados na internet, e por agirmos assim, que tempo temos dedicado para derramar nossa alma ao pés do Senhor?
Quer ser íntimo de Deus? Então você precisa estar com Ele. A nossa vida, em relação às coisas de Deus, só vai ser fecunda se rezarmos, meditarmos e vivermos Sua Palavra. Todos os frutos da nossa vida só vão ser baseados nas Sagradas Escrituras se tivermos uma vida de oração. Sem oração não há mudança de vida. Jesus nos ensina a rezar a sós com Ele.
Eu não sei como você gosta de rezar. Talvez seja meditando um ofício, orando em línguas ou no silêncio do seu coração, não importa como você reza, o importante é fazê-lo.
“Não é assim, meu Senhor, respondeu ela, eu sou uma mulher aflita: não bebi nem vinho, nem álcool, mas derramo a minha alma na presença do Senhor” (1Sm 1, 15).
O que é oração? Derramar a alma na presença do Senhor. O que está dentro de você? Ana estava com amarguras, com lágrimas e triste, porque uma mulher idosa não ter filhos era uma condenação naquele tempo. E por isso ela se derrama diante do Senhor. Oração é isto: arrancar o seu coração e colocá-lo nas mãos de Deus. Muitas vezes, rezamos de todos os jeitos e não rezamos da maneira certa. É preciso derramar a sua alma diante de Deus. Existem pessoas que perguntam: “Será que estou rezando certo ou errado?”. Precisamos rever nosso modo de ser sempre. Oração é colocar o seu coração do jeito que ele está diante de Deus e rezar como Jesus rezou. A oração precisa ser o nosso encontro pessoal com o Senhor. A nossa oração precisa nos transformar.
Sabe qual o efeito maior da nossa oração sobre nossa vida? A nossa conversão. Se você tem orado, mas não houve nenhuma transformação em sua vida e ainda não se converteu verdadeiramente, alguma coisa está errada. Significa que você está rezando mal e errado. Se ouvimos a Deus e fazemos o que Ele nos ensina em Sua Palavra nós nos transformamos. Por isso, se a oração não está mudando os seus hábitos e o seu comportamento, há alguma coisa errada. A oração precisa tirar-nos da vida de pecado.
Não basta rezar muito; é preciso rezar com qualidade. Precisamos libertar-nos dos pecados diários, como o calo que fica ali apertando e incomodando o tempo todo. A oração precisa nos libertar. A oração nos liberta da prisão do pecado. Muitas vezes, rezamos para que os outros mudem, mas recebemos a acusação dos outros ao nos dizerem: “Você não deveria agir assim porque você é da Igreja”. O diferencial daquele que é cristão é ter uma vida de oração e a mudança de atitudes.

Fiéis participam da pregação com padre Reinaldo. Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com
Muitas vezes, rezamos por cura e libertação, porque queremos que o Senhor tire algo da nossa vida ou algo seja mudado. Se apertamos um furúnculo e só sai um pouco do pus, depois ele volta. Da mesma forma, se a cirurgia retirar apenas uma parte do câncer depois essa doença voltará. Assim como não adianta pedir a cura apenas de uma área, é preciso pedir e buscar toda a cura em todas as áreas de nossa vida. Muitos querem cura e libertação, mas não querem mudar de vida. Dizem: “Eu rezei a Deus e Ele não me curou”, e colocam a culpa n’Ele. O maior mal não é ter uma doença física, mas sim o pecado, porque ele nos tira de Deus. Por isso, devemos pedir, na nossa oração, que Deus tire o maior mal de nossa vida, que é o pecado. Precisamos pedir a cura da doença e dos males, mas começar pelo pecado. Se ficarmos correndo atrás apenas das curas e não buscarmos a libertação do pecado, nada vai mudar.
Como você tem rezado? “Eu rezo, mas não leio a Bíblia”, só assim não basta. É preciso ouvir Deus por meio da Palavra, derramar a alma diante do Senhor e rezar como Jesus. A oração precisa ser o motivo da nossa conversão, precisa quebrar as cadeias do pecado.
Não é apenas a nossa alma que reza, devemos rezamos por inteiro. Rezamos com o corpo, com o físico e com o emocional. Quando nos conhecemos bem, rezamos melhor. Se você não conhece suas qualidades e seus defeitos, então não se conhece bem. E como vai rezar se não se conhece!? Só reza bem quem se conhece. Uns dizem: “Ah! Eu não sei rezar!”. É porque essas pessoas não se conhecem. Você precisa se conhecer para poder se colocar diante do Senhor de maneira correta.
O que é que se reza? Rezamos a nossa vida. Por isso há a necessidade de nos conhecermos bem e apresentarmos aquilo que está dentro de nós para o Senhor. Um corpo escravo do pecado não se coloca em oração, porque o que nos leva a rezar é o nosso corpo. Se você o deixar dominá-lo, você não vai  conseguir orar. Se o nosso corpo não submete ao Senhor, nós não vamos rezar. Quanto mais disposição física, tanto mais disposição para rezar haverá. Muitos dizem: “Salve a alma porque o corpo está perdido”. Se o corpo está perdido a nossa alma também o está, porque Deus quer salvar o corpo e a alma. Por isso que Jesus diz: “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1 Coríntios 6,19).
Não permita que seu corpo não o deixe rezar. É preciso que seu corpo se submeta à sua vontade. Nós nos submetemos a muitas coisas, no entanto, precisamos submeter o nosso corpo à oração. Você não diz: “Vai, alma, adorar!”. Ela não sai do seu corpo e vai rezar, até porque não seria nada cristão pensar assim, mas é o seu corpo quem vai rezar. Por isso é importante fazer jejum e penitência para nos colocarmos na presença de Deus.
Nós queremos tantas coisas materiais, mas não fazemos esforço para estar aos pés do Senhor. Se alguém nos chama para fazer uma vigília, achamos que isso é difícil e arrumamos desculpas para não ir, mas se é para ir a festas nós vamos e ficamos à noite inteira. Precisamos colocar o nosso corpo para rezar para que consigamos tirar os nossos olhos dos defeitos dos outros.
Transcrição e adaptação: Jakeline Megda D’Onofrio. 

Tenhamos um coração manso e humilde

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Jesus é manso e humilde de coração! Está aí o segredo, o remédio, o caminho e a luz para o nosso cansaço e para a nossa fadiga: olharmos para o coração de Jesus e aprendermos da Sua mansidão e da Sua humildade.
“Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso” (Mateus 11, 28).
O coração amabilíssimo de Jesus acolhe todo o nosso cansaço e todas as nossas fadigas da vida. Deixe-me dizer uma coisa a você: Quem é que não se cansa desta vida? Quem é que não sente o cansaço e o peso da vida?
Quantas fadigas se acumulam ao redor de nós! Afinal de contas, cada um tem um jugo para carregar nesta vida, o jugo dos nossos compromissos, responsabilidades e exigências que a vida faz de nós. O jugo da nossa saúde, das coisas que não dão certo, dos êxitos que não obtemos e das exigências que, algumas vezes, são mais duras do que nossa própria capacidade. O jugo da ingratidão das pessoas, da incompreensão, muitas vezes, até dos nossos próprios familiares de casa, da família, dos amigos; as desmotivações.
Muitas vezes, muitos muros desmoronam à nossa frente. Parece que o nosso jugo se torna tão pesado que até respiramos e dizemos: “Que vontade de desistir!”. Não desista não! Se o nosso jugo está pesado, Jesus quer torná-lo leve, e o nosso peso leve; Ele quer dar descanso para a nossa alma e para o nosso coração.
Para isso, nós só precisamos entregar o nosso jugo a Ele e tomarmos sobre nós o jugo que é d’Ele, porque o Seu jugo é leve! Por que o jugo d’Ele é suave e o Seu fardo é leve? Porque Jesus é manso e humilde de coração! Está aí o segredo, o remédio, o caminho e a luz para o nosso cansaço e para a nossa fadiga: olharmos para o coração de Jesus e aprendermos da Sua mansidão e da Sua humildade.
Nós não precisamos nos desesperar, brigar, nos revoltar, nem nos exaltar acima da medida. Precisamos ter aquela medida da mansidão, de olhar tudo com o olhar sereno e calmo; um olhar que medita com muita clareza sobre as coisas para não termos uma medida muito elevada sobre nós, nem, ao mesmo tempo, uma medida que nos faça menosprezar aquilo que, na verdade, nós somos. Ou seja, a medida da cautela e da serenidade sobre tudo aquilo que fazemos, ao mesmo tempo a humildade de coração.
A humildade para saber reconhecer a grandeza de Deus, o Seu amor e não querer ser o que não somos, nem mais do que podemos ser. Saber ser agradecidos na prosperidade, e ser mais humildes nas contrariedades e nas dificuldades. E veremos que, dia após dia, o nosso fardo vai se tornando mais leve.
Jesus não veio para tirar o nosso fardo, mas veio para nos dar uma nova visão sobre o fardo que temos que levar nesta vida. Que o Senhor Jesus, manso e humilde de coração, faça o nosso coração semelhante ao d’Ele!

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Como você está se preparando para este natal?

Mensagem do missionário padre Arlon , no programa “Sorrindo pra Vida” da TV Canção Nova, desta terça-feira, dia 9 de dezembro de 2014.
A Palavra meditada está em Lucas 2,1-20:

“Quando Jesus nascer, o seu coração precisa ser um presépio, precisa ser uma gruta de Belém”, afirma padre Arlon.

O Evangelho de hoje fala sobre o nascimento de Jesus, porque estamos no Advento, quando começamos a viver a preparação do último mês da gestação de Nossa Senhora. Quando uma mãe está grávida, a família inteira se envolve, começa a preparar o quarto, as roupinhas, o berço e tudo mais. Toda a família se envolve no nascimento da criança. E assim acontece com Maria, ela entra no nono mês de gestação e toda a humanidade espera o Salvador, Aquele que vai nascer. Quando entramos no tempo do Advento, nós começamos a preparar a nossa casa com luzes e árvore de natal, mas como você tem se preparado para este Advento? Como está vivendo a expectativa do nascimento de Jesus?
Comemoramos o Natal no dia 25 de dezembro, dia do aniversário de Jesus. Mas talvez muitas pessoas se perguntem: “Por que dia 25 é Natal?”. Porque, neste dia, nove meses antes, é o dia da anunciação, e o primeiro dia da gravidez de Nossa Senhora. Nove meses depois, no dia 25 de dezembro, Jesus nasceu. Por isso também que a festa de São João é no dia 24 de junho, seis meses antes do dia 24 de dezembro. João Batista é seis meses mais velho que Cristo. Na liturgia, existe todo um significado.
Eu lhe pergunto: “Como você está se preparando para este Natal?” Quando Jesus nascer, o seu coração precisa ser um presépio, precisa ser uma gruta de Belém. Se quando uma criança nasce nós arrumamos o quarto, o berço, a poltrona, imagina Jesus que vai chegar! E como você está preparando o seu coração para a chegada d’Ele?
Esse tempo do Advento é um tempo de alegria, de preparação. É tão lindo quando no dia do natal colocamos o menino Jesus no presépio. Assim também é lindo ver o casalsinho de noivo que estão se preparando para casar, imagina a preparação que devemos fazer para a chegado do menino Jesus.
A preparação é algo que antecede, se você não prepara para receber Jesus, quem é Ele para você? O maior presente para Jesus é você ir na missa e viver a experiência com Ele. Vamos na missa no dia 24 a noite, porque nós estamos indo visitar uma mulher que está ganhando a criança, e no dia 25, nós vamos visitar a criança que já chegou.
Precisamos ter a expectativa d’Aquele que vem! O padre Jonas tinha, em sua casa, a contagem regressiva dos seus 50 anos de sacerdócio. A vida dele é uma vida de expectativa. E que lindo é comemorarmos as datas nas nossas vidas! Que bonito é ver um casal comemorar o tempo de casados! Celebrar isso é trazer a alegria para o casamento, é celebrar o dom da vida. Que bonito é celebrarmos uma comemoração, um namoro!
Quem não celebra nem festeja as comemorações não cultiva a esperança e o significado daquilo que é festejado. Celebrar a Eucaristia é sempre celebrar o novo.
O que você tem para celebrar neste mês de dezembro? Uma pessoa me disse: “Eu não tenho nada a celebrar!”. É mentira. Temos o dom da vida para celebrar, temos a nossa saúde para celebrar, temos os nossos filhos, as vitórias de Deus na nossa vida. Vamos viver essa expectativa do Advento, a espera do nascimento da Criança que vem! Vamos celebrar as vitórias de Deus na nossa vida, vamos celebrar o Salvador que vem.
Reze pedindo que toda tristeza, todo abatimento e fraqueza caiam por terra em nome de Jesus. Viva a expectativa da espera do Salvador, isso trará alegria ao seu coração.

Padre Arlon Cristhian
Missionário da Comunidade Canção Nova

Transcrição e adaptação: Jakeline Megda D’Onofrio.

Fonte: Canção Nova

Café com Maria em Campina Grande na Paraíba

terça-feira, 9 de dezembro de 2014


Pelo segundo ano consecutivo, no dia de Nossa Senhora da Conceição,em Campina Grande, o Armadura do Cristão esteve presente no "Café com Maria".


Após a Santa Missa na Catedral, aproximadamente 4.000 pessoas, especialmente as carentes e de rua, partilham um café da manhã com doações da comunidade.


O café é coordenado pelo irmão José Ailton Bezerra. Deus abençoe esta missão.


Clique na imagem abaixo e confira todas as fotos
http://armaduradcristao.blogspot.com.br/2014/12/cafe-com-maria-em-campina-grande-pb.html 

Bem-aventurada aquela que acreditou no Senhor

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Deus tornou os caminhos de Maria sem pecado para que o Salvador de toda a humanidade pudesse também tornar os nossos caminhos e a nossa estrada sem pecado!

“Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” (Lucas 1,28).

Nós hoje celebramos, de forma solene, o Dia da Imaculada Conceição de Maria, o dia em que ela foi concebida no ventre de sua mãe. O dia da conceição da Virgem Santíssima, do seu concebimento, é digno de festa e de darmos glórias a Deus, porque a arca, que iria carregar o próprio Deus no meio de nós, foi ali edificada. E de que forma? Essa arca foi construída, gerada e concebida de modo imaculado, incorrupto, ela não foi manchada pela marca do pecado original.
É assim que o próprio anjo nos fala da Virgem Maria. Primeiro que ela é cheia da graça, ela é plena, está repleta da graça de Deus; não há espaço para o pecado, para o mal e para o erro na vida e no coração de Maria desde o momento da sua concepção. A segunda coisa, que vem junto com a primeira, é que o Senhor está com ela, o Senhor está plenamente com ela e nela desde o momento em que foi concebida. Ainda que naquele primeiro instante não tenha sido possível entender o porquê da tamanha grandeza da manifestação do poder de Deus, esse é o sinal de que Ele preparando os Seus caminhos desde o momento em que o homem cai no drama do pecado original.
Maria é aquela prometida no paraíso, como lemos em Gênesis 3,15: “Porei pela inimizade entre ti e a mulher” […]; ela te pisará a cabeça“. Aquela, que pisa na cabeça da serpente, é a vencedora do mal e do pecado! Deus tornou os caminhos de Nossa Senhora sem pecado para que o Salvador de toda a humanidade pudesse também tornar os nossos caminhos e a nossa estrada sem pecado!
Maria já fez de Jesus o Senhor de sua vida pela sua concepção e pela concepção que foi gerada no seu ventre: Jesus Nosso Senhor e Nosso Salvador. Ela poderia ter caído, poderia ter pecado. Eva também assim foi concebida, mas não correspondeu a essa graça. Maria, “a nova Eva”, é aquela que corresponde plenamente à ação maravilhosa de Deus na sua vida. Por isso sua Imaculada Conceição é espelho, é caminho e é luz para direcionar a nossa vida!
Nós queremos pedir a poderosa intercessão daquela que foi concebida sem pecado para que ela nos ajude a combater os traços, que o pecado original e os pecados que fomos depois concebendo na vida, para lutarmos e combatermos esses males.
Que a Virgem Maria nos ensine – pela sua fé, pela sua fidelidade e pela sua correspondência à graça de Deus – a sermos também atraídos pela graça que nos salva para que digamos “não” ao pecado que nos faz morrer.
Maria, que a sua Imaculada Conceição brilhe sobre nós!

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

Jesus ilumina toda a cegueira que envolve a nossa vida

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Jesus ilumina toda a cegueira que envolve a nossa vida. Não deixe os olhos da sua fé apagados, não deixe que seu coração caminhe na escuridão da vida.
“Partindo Jesus, dois cegos o seguiram, gritando: “Tem piedade de nós, filho de Davi!” (Mateus 9,27).
Amados irmãos e irmãs, os dois cegos do Evangelho de hoje são exemplo de vida para nós, porque estes estavam com a vista apagada, não podiam ver a luz do sol, como nós a vemos, enxergar as pessoas como quem tem visão as pode enxergar. Deixe-me dizer uma coisa a você: apesar de estarem com a vista apagada, eles estavam com o coração iluminado.
Sim, o coração de cada um deles podia ver, tocar e seguir Jesus, porque eles foram atrás do Senhor gritando: “Jesus, tem piedade de nós!”. Quem está com o coração iluminado está aberto para a graça de Deus, está aberto para ser curado e conduzido por Ele e enxergar a própria cegueira.
Deixe-me dizer a você: não deixe os olhos da sua fé apagados, não deixe nem permita seu coração caminhar na escuridão e na penumbra da vida sem enxergar Jesus que está no meio de nós. Primeiro, Jesus é a luz do mundo e Ele deseja – como luz do mundo – iluminar toda a cegueira que envolve a nossa vida, toda a cegueira que envolve o nosso coração e nos deixa, muitas vezes, viver na penumbra da vida.
Sabe, muitas vezes, os problemas da nossa vida estão dentro de nós e nós buscamos soluções fora. Sim, basta uma mudança de comportamento, basta uma atitude nova para mudar isso, mas não conseguimos enxergar. Às vezes o problema de uma situação está tão mais perto de nós do que possamos imaginar, mas, porque a cegueira nos envolve, não conseguimos ver a solução dele. Muito pelo contrário, até permitimos que o problema cresça dentro de nós, porque vamos nos agitando e culpando uns aos outros. E quando as acusações começam, a cegueira cresce. Quando as acusações começam, tudo de mau vem junto; porque a acusação não nos permite ver as coisas com razão.
Os dois cegos do Evangelho de hoje são para nós exemplos de humildade. Só quem tem humildade clama: “Jesus, filho de Davi, tem piedade de nós!”. E se nós temos essa humildade, vamos clamar do fundo do coração: “Tenha piedade e misericórdia da minha cegueira interior, porque eu não consigo enxergar a verdade, não consigo enxergar a minha própria verdade!”.
Se enxergamos mais os pecados, os erros, os problemas e os defeitos das pessoas do que os nossos próprios, é o grande sinal de que a cegueira dentro de nós é muito grande. Quando começamos a enxergar de verdade, nós não temos nem tempo para enxergar os problemas dos outros, nós vamos nos iluminando para cada vez mais irmos direcionando a nossa própria vida.
Que Jesus abra os nossos olhos da fé para enxergamos a verdade do jeito que ela é!

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

A coroa do Advento

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Informações e curiosidades sobre a famosa coroa do Advento, que nos ajuda a preparar-nos para o Natal

  adviento
O que é a coroa do Advento?

É uma coroa de ramos verdes na qual são colocadas 4 velas, geralmente roxas. É costume colocá-la em uma mesinha ou sobre um tronco de árvore, ou até pendurada no teto com uma fita bonita. Em princípio, não se coloca em cima do altar, mas junto ao ambão ou em outro lugar adequado da igreja, como, por exemplo, junto a uma imagem ou ícone de Nossa Senhora. A coroa do Advento é o primeiro anúncio do Natal.

Como surgiu a coroa do Advento?

É um costume originário dos países germânicos e estendida à América do Norte, já convertida em um símbolo do Advento nos lares cristãos, nas paróquias e comunidades.

Durante o frio e a escuridão do final do outono, os povos germânicos pré-cristãos coletavam coroas de ramos verdes e acendiam fogo como sinal de esperança na vinda do sol nascente e da primavera.

Este é um exemplo da cristianização da cultura, na qual um elemento antigo assume um novo e pleno sentido: a coroa do Advento encontra uma esplêndida referência em Jesus Cristo, luz do mundo, vencedor da escuridão e das trevas.

Como é composta a coroa do Advento?

Ela é composta por uma coroa circular, ramos ou folhagem verde, quatro velas e algum enfeite sobre elas, como maçãs vermelhas, e uma fita vermelha.

A coroa circular: o círculo não tem começo nem fim, lembrando a unidade e eternidade do Senhor Jesus Cristo, que é o mesmo ontem, hoje e sempre. É sinal do amor de Deus, que é eterno, sem princípio nem fim. Também é um convite para que nosso amor a Deus e ao próximo nunca acabe.

Folhagem verde: os ramos verdes podem ser ramos de pinheiro ou semelhantes. Representam Jesus eternamente vivo e presente entre nós.

Enfeites: Em geral, são maças vermelhas e uma fita vermelha. As maçãs representam as frutas do jardim do Éden, com Adão e Eva. Falam, pois, do pecado e da expulsão do paraíso, bem como do anseio permanente do ser humano de voltar a ele. Mas a fita vermelha significa o amor de Deus que nos envolve, e também nossa resposta de amor ao Senhor.

As quatro velas: representam os 4 domingos que compõem este tempo de vigilante espera. Fazem-nos pensar na escuridão provocada pelo pecado que cega o homem e o afasta de Deus. Assim, com cada vela que acendemos, a humanidade se ilumina e continua iluminando com a chegada de Jesus Cristo ao nosso mundo.

Por que cada semana acendem uma vela na coroa?

Como expressão de espera alegre, cada semana se realiza o rito de acender as velas da coroa, uma a cada domingo do Advento, até que todas fiquem acesas no final.

O acendimento progressivo desses círios nos faz tomar consciência da passagem do tempo no qual esperamos a última e definitiva vinda do Senhor. Esse itinerário, acompanhado de alguma oração ou canto, marcará os passos que nos aproximam da festa do Natal, e nos ajudará a ter mais presente o período em que nos encontramos.

Qual é o significado global da coroa do Advento?

Este simples enfeite de Natal é ao mesmo tempo memória, símbolo e profecia:

É memória das diversas etapas da história da salvação antes de Cristo.

É símbolo da luz profética que ia iluminando a noite da espera, até o amanhecer do Sol de justiça.

É profecia de Cristo, luz do mundo que voltará para iluminar definitivamente o mundo e todos aqueles que esperam com suas lâmpadas acesas.

(Artigo publicado originalmente pela Revista Ecclesia)
Fonte: Aleteia

Precisamos nos preocupar com a fome no mundo

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Nós precisamos nos preocupar com a fome no mundo, seja com a fome de Deus ou de alimento material. Um cristão não se conforma com as injustiças deste mundo; pelo contrário, ele se torna solidário. Tudo o que temos, podemos repartir com quem não têm!

“Jesus chamou seus discípulos e disse: ‘Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer’” (Mateus 15, 32).

Jesus tem compaixão do Seu povo, Ele é movido por um sentimento de amor e de ternura para com os Seus e para com os sofrimentos do Seu povo. Quem se compadece sofre junto, não é indiferente à dor, ao sofrimento, à fome nem à carência que o outro têm. É por isso que a Palavra de Deus, hoje, está nos dizendo que, no banquete do Reino de Deus, o Senhor sacia toda a nossa fome.
Primeiro, a nossa fome de Deus, a nossa fome de eternidade, de paz e amor; a nossa fome das coisas do céu. A fome que sente a nossa alma e o nosso espírito de eternidade é saciada pelo próprio Jesus! Ele mesmo se torna presente no meio de nós, pelo Seu Corpo e Seu Sangue. O poder e a autoridade que Ele tem para multiplicar os pães é o mesmo que tem para transformar esses pães em Seu Corpo. Sim, para nos alimentar espiritualmente, para nos deixar fortalecidos na fé, para não desanimarmos na caminhada.
Nós precisamos nos alimentar, nos revestir de Cristo; nós precisamos fazer de Cristo Jesus o alimento da nossa vida. Uma vez que somos alimentados pelo Senhor, o Espírito d’Ele também está sobre nós! Assumimos em nós os mesmos sentimentos de Cristo Jesus, temos compaixão dos sofrimentos do próximo e, por isso, nos tornamos alimento, presença de Jesus para ele, nós alimentamos o outro espiritualmente com a nossa presença.
Precisamos também saciar a fome de quem tem fome de alimento material; não podemos simplesmente relativizar, nos tornar indiferentes à dor, ao sofrimento, à doença, à enfermidade e às chagas que o nosso próximo padece.
Jesus não teve nem um pouco de coragem de deixar Seu povo partir com fome, por isso se preocupou em alimentá-los. Nós precisamos nos preocupar com a fome no mundo, seja com a fome de Deus ou de alimento material. Um cristão não se conforma com as injustiças deste mundo; pelo contrário, ele se torna solidário. Tudo o que temos podemos repartir com quem não tem!
Às vezes, tornamo-nos consumistas em excesso, preocupamo-nos em comprar nossas coisas, encher nossas casas disso ou daquilo e não nos preocupamos em ser solidários. E como é que a solidariedade cristã acontece em nossa vida? Quando fazemos o que Jesus fez: o pouco pão que temos nós dividimos, e tudo que é dividido se multiplica.
Sim, a primeira preocupação de Jesus não foi multiplicar, mas dividir, por isso a multiplicação aconteceu. Quando nos preocupamos com quem não têm, nosso guarda-roupa não fica cheio de roupas sobrando, sem saber quem vai usar; não teremos uma quantidade enorme de sapatos a nosso bel-prazer. Nós nos lembraremos de quem não têm e não encheremos a nossa despensa de alimentos, preocupados só conosco; nos preocuparemos com quem não têm e repartiremos o que é nosso com o outro.
Que Deus, hoje, nos ensine, a partir do Seu próprio coração, alimentado com Seu Corpo e com Seu Sangue, a nos preocuparmos em alimentar a fome e a sede dos nossos irmãos.

Deus abençoe você!

Fonte: Canção Nova

PC Magazine

PC Magazine
Informática e Eletrônicos

Pesquisar neste Blog

Carregando...

Campanha Vem Cuidar de Mim

Campanha Vem Cuidar de Mim
Assine aqui o abaixo assinado!

Retokar

Retokar
Oficina Multimarcas

251ª Romaria da Penha

251ª Romaria da Penha
Vídeos

Liturgia Diária

Liturgia Diária
Canção Nova

Reflexão

Sínodo sobre a Família

Sínodo sobre a Família
Frases Marcantes

Frei Galvão

Frei Galvão
História

Conselhos do Papa Francisco

O Papa Francisco

O Papa Francisco
Vatican

Bíblia Católica On Line

Mensagem

Mensagem
Monsenhor Jonas Abib

Terço dos Homens na Rádio RCA

Terço dos Homens na Rádio RCA
Segunda à sexta, às 17:50 hs

ANUNCIE AQUI

ANUNCIE AQUI
armaduradocristao@gmail.com

Horário das Missas na Paróquia Menino Jesus de Praga - Bancários

  • Quinta-feira - 19:30hs
  • Sexta-feira -06:00hs
  • Sábado - 19:00hs
  • Domingo - 8:00 e 17:00hs
  • Telefone: (83) 3235.5120

Siga o Armadura por e-mail

EVENTOS

anuncie aqui

Comentários

Deixe o seu Comentário ao final das Postagens!

Ocorreu um erro neste gadget

A ARMADURA DO CRISTÃO

A ARMADURA DO CRISTÃO
Leia Efésios 6, 10-20

Visitantes

Comunidade Casa da Paz

Adoração ao Santíssimo

Adoração ao Santíssimo

Missa do Terço dos Homens

Missa do Terço dos Homens
Toda 3ª Quarta-feira do mês

Salmos Dominicais

Salmos Dominicais
Canção Nova

Salmos on Line

Menino Jesus de Praga

Solenidade de Corpus Christi

Solenidade de Corpus Christi
Fotos 2014

PARCEIROS


Rotary Club João Pessoa Bancários

blog do João Eduardo

Trânsito WEB

Conselho de Segurança Comunitário dos Bancários

Associação dos Moradores dos Bancários

Blog do Terço dos Homens

Blog do Terço dos Homens
Paróquia Menino Jesus de Praga

Nossas Recordações - Grupo de Jesus RCC Jovem

Loading...

Arquivos Obras Timbó